5 de nov de 2013

Cleópatra era descendente de africanos, diz estudo


  

Elizabeth Taylor no papel de Cleópatra (arquivo)

A imagem da Cleópatra branca européia está popularmente associada à atriz Elizabeth Taylor
A rainha egípcia Cleópatra era, em parte, africana, de acordo com uma equipe de pesquisadores do Instituto Arqueológico Austríaco.


A conclusão foi tirada após a identificação do esqueleto da irmã mais nova de Cleópatra, a princesa Arsinoe, encontrado em uma tumba de mais de 2 mil anos em Éfeso, na Turquia.
As evidências obtidas pelo estudo das dimensões do crânio de Arsinoe indicam que ela tem algumas características de brancos europeus, antigos egípcios e africanos negros, indicando que Cleópatra provavelmente também era de origem étnica mista. A mãe de Arsinoe seria de origem africana.


Há muito tempo os especialistas debatiam se Cleópatra era norte-africana, grega ou macedônia. Seu ancestral Ptolomeu era um general macedônio que se tornou governante do Egito por ordem de Alexandre, o Grande.


Hilke Thuer, especialista da Academia Austríaca de Ciências que há muito tempo acreditava que a tumba era de Arsinoe, qualificou a descoberta como "sensacional".
"Ela dá novas informações sobre a família de Cleópatra e o relacionamento entre as irmãs Cleópatra e Arsinoe", afirmou.


Tumba controvertida:
A tumba de Éfeso foi aberta pela primeira vez em 1926 e, até agora, havia um debate entre cientistas sobre a identidade de seu ocupante.


Mas técnicas forenses combinadas à análise antropológica e arquitetônica da tumba acabaram convencendo os especialistas de que o esqueleto encontrado pertence à irmã de Cleópatra.


O crânio foi separado do esqueleto para exame e acabou extraviado durante a 2ª Guerra Mundial. Mas a antropóloga Caroline Wilkinson reconstruiu a face baseada nas medidas tiradas na década de 20.
"Ela tem este formato alongado", disse a especialista ao jornal The Sunday Times. "Isto é uma coisa que se vê frequentemente em egípcios da Antiguidade e africanos negros. Pode sugerir uma herança ancestral mista."


Possível assassinato:
Textos antigos achados na cidade, que pertenciam ao Império Romano, indicam que Arsinoe foi enviada para lá depois de derrotada em uma luta de poder com Cleópatra e com o líder romano Júlio César, disse o jornal britânico The Sunday Times.


Muitos acreditam que quando Cleópatra estava envolvida com o general romano Marco Antônio, após a morte de Júlio César, a rainha egípcia ordenou que a irmã fosse morta para impedir uma possível futura disputa pelo trono egípcio.


O documentário Cleópatra: retrato de uma assassina, foi exibido na TV BBC-1 no dia 23 de março de 2010.


Fonte:
BBC Brasil

28 de out de 2013

Documentos bíblicos de dois mil anos serão disponibilizados na Web.

Documentos de 2 mil anos serão disponibilizados gratuitamente. Obras foram encontradas entre 1947 e 1956 no Mar Morto.


O departamento israelense de antiguidades e o Google anunciaram nesta terça-feira (19) o lançamento de um projeto para divulgar, na internet, os manuscritos do Mar Morto, que contêm alguns dos mais antigos textos bíblicos.

O plano, que custará US$ 3,5 milhões (2,5 milhões de euros) tem o objetivo de disponibilizar gratuitamente esses documentos, que possuem cerca de 2 mil anos.

"É a descoberta mais importante do século 20 e vamos compartilhá-la com a tecnologia mais avançada do século 21″, afirmou a responsável pelo projeto do departamento israelense, Pnina Shor, em uma coletiva de imprensa em Jerusalém.

A administração israelense captará imagens em alta definição utilizando uma tecnologia "multiespectral" desenvolvida pela Nasa. As imagens serão, posteriormente, publicadas na internet pelo Google em uma base de dados. As traduções dos textos também serão colocadas à disposição. Shor afirmou que as primeiras imagens estarão disponíveis nos próximos meses e o projeto terminará em cinco anos.

"Todos os que possuem uma conexão à internet poderão acessar algumas das obras mais importantes da humanidade", disse o diretor do centro de pesquisa e desenvolvimento do Google em Israel, Yossi Mattias.

Descoberta arqueológica
Acredita-se que os 900 manuscritos encontrados entre 1947 e 1956 nas grutas de Qumran, no Mar Morto, constituem uma das descobertas arqueológicas mais importantes de todos os tempos. No material encontrado, há pergaminhos e papiros com textos religiosos em hebraico, aramaico e grego, assim como o Antigo Testamento mais velho que se conhece.

Fontes:
G1
EbooksGrátis

10 de out de 2013

Encontrado tesouro romano em campo da Inglaterra


  

Foto: Divulgação
Caçador de tesouros usou um detector de metais para achar tesouro com 52,5 mil moedas.

08 de julho de 2010.

Um caçador de tesouros encontrou 52,5 mil moedas do Império Romano, um dos maiores tesouros já descobertos no Reino Unido, anunciaram as autoridades locais.

O tesouro é avaliado em 3,3 milhões de libras (cerca de R$ 8,9 milhões) e inclui centenas de moedas com a imagem de Marcus Aurelius Carausius, que dominou a Grã-Bretanha e o norte da França no século III e se autoproclamou imperador.




Segundo a agência, o conselho do condado de Somerset anunciou que Dave Crisp utilizou um detector de metais e descobriu o tesouro em abril em um campo no sudoeste da Inglaterra. As moedas estavam em um grande jarro enterrado a cerca de 30 cm de profundidade e tem um peso de cerca de 160 kg.


Segundo crisp, em entrevista à BBC, ele ouviu um sinal "engraçado" do detector e começou a cavar. Primeiramente, ele encontrou uma pequena moeda de bronze. Ele continuou a cavar e retirou mais 20, quando encontrou o enorme jarro decidiu buscar ajuda especializada. Arqueólogos iniciaram então o delicado trabalho de escavação para preservar e estudar o objeto.


"Esse achado nos presenteia com uma oportunidade de colocar Carausius no mapa. Estudantes de todo o país aprendem sobre a Britânia Romana há décadas, mas nunca aprendem sobre Carausius, nosso imperador britânico perdido", diz o pesquisador Roger Bland, do British Museum, à reportagem.



De acordo com a agência, as autoridades locais irão iniciar um inquérito para determinar se o achado está sujeito à Lei do Tesouro, o que seria apenas um passo formal antes de determinar o preço para uma instituição interessada em comprar a descoberta.

Fontes:
Terra.com/notícias

13 de set de 2013

Quanto você sabe sobre os mitos?

Mitologia grega e romana na vida diária


Você provavelmente não precisa saber mitologia grega. Quero dizer, não é muito provável que você esteja em uma situação de vida ou morte, onde você terá que desviar sua nave à distância de Titan (a) e ao planeta Rei dos Reis (b) ou para outros planetas como para o do Amor (c), o da Guerra (d) ou o Menssageiro das divindiades (e), a fim de encontrar o caminho de volta para a Terra.

Nem fará muita diferença se você deixar de reconhecer as figuras mitológicas por trás do nome do seu carro (Saturno ou Mercúrio). No entanto, a mitologia greco-romana é difundida na cultura ocidental e você provavelmente já sabe muito sobre ela:

A deusa do amor Vênus, Cujo nome é sinônimo de beleza, é destaque na música e arte. Seu nome foi emprestado para o que costumava ser chamada de doença social.
Adônis, Um dos seus amantes, é sinônimo de beleza masculina. A flor narciso era originalmente um jovem homem muito vaidoso. O laurel era uma ninfa jovem que preferiu não ser transformada em uma árvore para os abraços da Apollo.


A missão espacial Apolo foi nomeada para o deus da música e da profecia. Existe uma empresa de petróleo, cujo logotipo é o cavalo alado Pégaso. Uma empresa de silenciador de automóvel é nomeado para o original homem com o toque de ouro (f). Atlas, a empresa, é nomeada para o Titan que foi punido a ter que carregar o peso do mundo sobre seus ombros (g). Uma marca de tênis foi nomeado para o deusa da vitória (h). Um produto de limpeza foi nomeado para um segundo melhor herói grego na Guerra de Tróia (i) depois que Aquiles tinha morrido. O herói número um deu seu nome para uma viagem longa e difícil ou Odisseia. Ulisses também concedeu um presente original que nos deu a expressão "cuidado com o presente de grego" (Timeo Danaos et dona ferentes). Uma empresa de doces de chocolate é nomeada para o deus romano da guerra (d). Um cereal é nomeado para a a deusa romana do grão (j). O botão de pânico é nomeado para um filho de Hermes (k). A lista é crescente.
Não que isso faça uma diferença sensível na sua qualidade de vida, mas sabendo alguma coisa sobre mitologia grega romana lhe dará uma visão do nosso património cultural, a compreensão da nomeação do espaço e das missões de exploração, e isso poderá ajudá-lo a resolver algumas palavras cruzadas. Leia mais sobre este assunto.


Referências mitológicas:

(A)Saturno (B)Júpiter (C)Venus) (D)Marte (E)MercúrioMidas (G)Atlas (H) Nike (I)Ajax (J)Ceres (K)Panela (F)


Influência mitológica na Sociedade Moderna
Dicionário Etimológico
Cliches Classicos
Pessoas / biografias

Glossário de História Clássica
Mapas
Citações latinas e traduções
Textos Primários / Literatura e Tradução
Hoje na História
Artigos sobre História Clássica


Introdução à Mitologia Grega:

Mito na Vida Diária | O que é mito? | Mitos e Lendas | Gods in the Heroic Age - Bíblia vs Biblos | Criação de Histórias | Revenge Uranos | Titanomaquia | Deuses e deusas do Olimpo | Cinco Idades do Homem | Philemon e Baucis | Prometeu | Guerra de Tróia | Mitologia Bulfinch | Kingsley contos da Mitologia - Mitos e Lendas | Golden Fleece e Tanglewood Tales, de Nathaniel Hawthorne

Introdução ao Mito:

Artigos relacionados:
Deuses imortais e Deusas da mitologia grega - Os Imortais

Introdução à Mitologia Grega - Guerra de Tróia e a FAMO ...
Mitologia - Mitos - Mitologia Grega - Flood Creation Myths
Mitologia Guerra de Tróia e as histórias famosas sobre homens e mulheres gregos
Mito Greco-Romano

Veja mais sobre:


Fonte:
Ancienthistory.about.com por

Editorial:
pesquisa, tradução e edição: Mariangela Ghirotti.

3 de mar de 2012

Grandes descobertas na Caverna Chauvet Pont d'Arc.

A Descoberta: Num domingo, 18 de dezembro de 1994, Jean-Marie Chauvet levou seus dois amigos Eliette Brunel e Christian Hillaire para o precipício: um fluxo suave de ar a partir de um pequeno orifício no fundo de uma pequena caverna que tinha atraído a atenção dele. A tarde era avançada quando entram por uma pequena cavidade localizada perto de uma trilha. Por trás dos escombros, há algo com certeza, assim começam a cavar uma passagem que se estende por um vazio escuro, mas eles não têm material suficiente para continuar. Já era noite quando os três se juntam no veículo. Pegam a chave, hesitam um pouco e, finalmente, retornam à descoberta. Eles descem e encontram uma vasta câmara com teto alto esplêndido e concreções espumantes. Eles estão se movendo em fila única para uma outra sala, igualmente grande, e admiram a inesperada beleza geológica em torno deles e também vêem ossos de animais. Eles viajam quase toda a noite a caminho de casa conversando sobre suas descobertas. Eliette avistou o frontal de um pequeno mamute ocre-vermelho em uma pedra pendurada: "Eles estão aqui!" ela gritou, e a partir desse momento, eles olharam com atenção todas as paredes, revelando centenas de pinturas e gravuras.
A entrada para a galeria de mamute cactus. Petit © Fritz C. G. Tosello.
Para a parede esquerda da sala com a sua  Hillaire muitos pendurados rochas gravadas. © Aujoulat Norbert Threshold  /
© Fritz C. G. Tosello
De volta, eles e Eliette contam as suas aventuras para sua filha, que não acredita neles, forçando-os a voltar para a caverna: após mais de 21 horas, apesar do cansaço e das emoções, eles se renderam. Fazem novas descobertas emergentes, certamente espantados, mas também com alguma ansiedade pelas muitas responsabilidades conseqüentes. No sábado seguinte, véspera de Natal, eles decidem proteger o acervo, cobrindo com plástico os traços de suas impressões digitais e pegadas, assim, certamente protegendo o caminho a ser percorrido no futuro, por todos. Após relatarem a descoberta à Jean-Pierre Daugas, Curador do Património da Direcção Regional dos Assuntos Culturais Rhone-Alpes, que avisa em seguida Jean Clottes, Assessor Científico do Ministério da Cultura e um especialista em cavernas decoradas, para providenciar a devida autenticação. Em 29 de dezembro de 1994, sob a liderança dos descobridores, é organizada uma expedição.
O PROCESSO DE AUTENTICAÇÃO DO ACERVO:
parcela Macro © Dominique Baffier - Valerie  Feruglio
© Fritz C - G Tosello
Ao olhar através de uma lupa a trama desta pintura vemos que a linha está ainda aparentemente intacta e na verdade tem pequenas quantidades desaparecidas devido à erosão: o olho não registra em sua visão geral. A trama recente é muito mais coerente e contínua. Quanto ao interior das estampas rupestres, é claro, limpo, branco, quando seco, parece cheio de micro-cristais após milênios nas paredes da caverna. As representações de animais estão acima de qualquer suspeita, por sua qualidade e naturalismo. Para que fossem falsas, seria necessário não só unir as qualidades de um artista conhecedor da grande fauna, como um excelente conhecimento da arte paleolítica, bem como dos animais da época. Finalmente, a aparência indelével do solo inibiu a idéia de um embuste, estando cheio de ossos e crânios de ursos, contados há dezenas. Nada tinha sido tocado. A arte de Chauvet-Pont d'Arc era realmente autêntica, sem sombra de dúvidas. Em 18 de janeiro de 1995, a caverna é entregue ao mundo em uma conferência de imprensa pelo Ministro da Cultura da época, Jacques Toubon.
parcela Macro - © Fritz C. G. Tosello
PRESERVAÇÃO DO ACERVO DA CAVERNA:
O Gateway © Feruglio Valerie
© Fritz C - G Tosello
Tendo tomado os primeiros dias, uma instância classificou o acervo para o Inventário dos Monumentos Históricos. A caverna foi fechada em 13 de outubro de 1995. O estado então contratou medidas de expropriação desde então, depois de identificar os três proprietários. O Estado tornou-se proprietário da caverna em 14 fevereiro de 1997. A primeira medida de proteção consistira na supervisão direta da entrada da caverna, de dia e de noite, pela polícia. Então, uma porta sólida e um sistema de alarme simples foram colocados, antes da intervenção do Comandante Cadia, ligado ao Ministério da Cultura, para todos os problemas de segurança de monumentos históricos. Uma grande operação foi criada para dar à caverna um sistema de bloqueamento confiável. A gruta está agora sob vigilância constante por vídeo e áudio e um protocolo complexo é exigido antes que se entre. Pessoas autorizadas estão sujeitas a um acordo comportamental obrigando-as a usarem uma vestimenta e sapatos que não tenham estado em contacto com o exterior, para evitar um maior intercâmbio biológico com a caverna. Dentro, um sistema de acompanhamento e climatologia bioquímica foi desenvolvido pelo Laboratoire Souterrain Moulis, do CNRS e do Laboratório de Monumentos Históricos. Eles monitoram continuamente a umidade e a temperatura, bem como a bacteriologia e concreções. Finalmente, está em curso um programa de desenvolvimento da área ao redor da caverna e seu interior. A INVESTIGAÇÃO ARQUEOLÓGICA:
A ética: Pela primeira vez na história da pesquisa arqueológica, a escolha de um gerente para o estudo de uma caverna foi feita na sequência de um concurso internacional. Na data limite para as candidaturas, 20 de março de 1996, apenas dois casos foram encaminhados para as autoridades. Um júri de nove cientistas franceses, alemães e espanhóis foram responsáveis por selecionar o time mais capaz para conduzir a investigação. Em uma votação secreta; a decisão foi unanime e o time foi montado, liderado pelo general Jean Clottes então conservador Heritage. Um ano de estágio foi dado em 1998. Em seguida, após o desenvolvimento de um novo docie com base em dados brutos coletados, uma nova autorização foi concedida para um período de três anos (1999, 2000, 2001). Na sequência deste "triênio", uma publicação deverá ser emitida, refletindo as primeiras campanhas de estudo. A equipe interdisciplinar reuniu 12 especialistas em arte rupestre, faunas fósseis, ichnologia, vestígios arqueológicos e cavernas. Foram adicionados a este núcleo, muitos pesquisadores nas áreas de geologia, hidrologia, paleontologia, conservação, e vários laboratórios. Além disso, mediante convite da equipe de pesquisa, as diferentes personalidades das artes da etologia animal ou pré-história, franceses e estrangeiros que vêm para trazer a sua visão e entregar os seus sentimentos. MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO:
© Baffier Dominique - Valerie Feruglio
© Fritz C - G Tosello
A pesquisa de campo é realizada a uma taxa de duas campanhas por ano com período de 15 dias cada, também duas vezes por semana para os geólogos e cientistas de solo. A equipe de investigação encontrou lazer na cidade do condado de Salavas Ardèche, proporcionando assim um lugar para ficar e trabalhar. Salas foram montadas com todo o hardware e recursos de análise disponível. Estudos estão em andamento durante o ano todo, cada um em seu respectivo laboratório. No campo de pesquisa, em geral, só temos a metade da equipe, além de alguns especialistas que apenas vêm ocasionalmente. Vão diariamente até a caverna, cerca de 8-9 pessoas por dia durante 6 a 7 horas . A análise dos micro-climas demonstraram que para satisfazer o equilíbrio da caverna, a presença humana seria limitada a 12 pessoas por dia durante 8 horas, por 15 dias. A alternância é aproveitada para trabalho de base em computadores ou projetar planos de ação, trocar idéias e analisar os dados do dia anterior. A ARTE PARIETAL:
Panorâmica da entrada da galeria do painel  megaceros cavalos © Valerie Feruglio
© Fritz C - G Tosello
Especialistas trabalham sozinhos ou em pares nas obras de arte nas paredes. Inicialmente, é um inventário tão completo quanto possível das diferentes representações. Para isso, foi estabelecida uma ficha que é preenchida para cada imagem. Há, portanto, um banco de dados, que permite a análise estatística, tecnologia, distribuição, etc. Paralelamente a este trabalho, segue-se uma investigação mais específica dos trabalhos realizados em alguns painéis (a escolha das áreas foi impulsionada pelo acesso às paredes perto do caminho principal, o que têm beneficiado). Essencialmente, as imagens dos painéis estão armazenadas em diferentes formas: imagens fotográficas tradicionais, emulsão em fotografias digitais ou iluminação especial infravermelha ou ultravioleta. O retorno de sinais coloca problemas diferentes. A maioria das imagens são encontradas nas paredes de turbulência, o que gera distorções significativas. Para remediar esta situação, passamos a cortar as cenas, que são digitalizadas e remontadas em mosaico na tela, levando a uma restituição do lugar da parede. Para uma parede em alto relevo e que não se pode aproximar, usa-se a gravação de fotogrametria que faz pontos notáveis em teodolito, assim não haverá restrições para um computador.
Redação ursos. Jean-Marie Chauvet © DRAC
© Fritz C - G Tosello
A PESQUISA DE SOLO: A equipe dedicada às análises do solo inclui várias disciplinas. O solo conservado a partir do fechamento natural da gruta, há milhares de anos, permitiu observações cuidadosas, pois gravaram muitos eventos ao longo dos tempos. Eventos naturais: Inicialmente, a evolução das concreções trabalhadas pelos fluxos de água, deslizamentos, etc. Além disso, as marcas descobertas nas faixas digitais de animais, em arranhões e nas chafurdas para os ursos e nas ossadas. Finalmente, os índices de controle da passagem de homens, dos objetos abandonados, pegadas, vestígios de atividades, de fogueiras, e as eventuais adaptações. Então se resolverá o entrelaçamento dessas diferentes faixas. As observações da evolução natural da caverna revelam contextos climáticos e cronologia. Estas explicam certos comportamentos dos seres humanos e dos animais, justificam a conservação das obras, o diferencial e marcas. Vários especialistas se reunirão nestes domínios geológicos.
Concreções Baffier © Dominique
Concreções - Detalhes - © Baffier Dominique
OS ESTUDOS GEOLÓGICOS: Diversos especialistas em geologia podem ser encontrados nas campanhas específicas de campo. Além disso, a pesquisa realizada desenha um mapa geológico detalhado do interior da caverna. Foi mapeado os arredores da caverna e, mais amplamente, o vale de Ardèche. Estudos estão sendo conduzidos em torno dos fenômenos e processos geológicos que deram formação e alterações à caverna, bem como à sua aparência atual. Outros estudiosos, interessados especificamente nas concreções, idade, constituição e micro-nutrientes, orientam sobre a superfície em diferentes épocas. Os fluxos de água são observados e podem explicar o movimento dos ossos, a preservação diferencial das pinturas e os depósitos em determinadas áreas, o mecanismo de concretização, as áreas ameaçadas, etc. Estes especialistas atuam em duas áreas: uma do próprio estudo e outra de conservação.
RESULTADOS 1998-1999: Trechos da carta Inora - Informativo Internacional sobre Arte Rupestre - No. 21-1998 posição da mão durante a execução Baffier © D  - V Feruglio "... observações preliminares sobre duas camadas de pontos na caverna de Chauvet (Vallon Pont d'Arc, Ardèche, França)", por Dominique e Feruglio Valerie Baffier Há cerca de cinquenta metros da atual entrada da caverna, no quarto Brunel, encontram-se dois conjuntos pintados com pontos vermelhos. A observação destes pontos revelou a sua técnica de execução. São realmente impressões das palmas de mãos direitas. Alguns detalhes anatômicos são visíveis como o deslizar do polegar para a esquerda, pequenas manchas circulares na parte superior da impressão, traço deixado pela primeira falange do dedo médio, perfil ligeiramente quadrangular da eminência tenar. Vemos também restos de ocres de luz linear e paralela, devido aos dedos que acidentalmente marcaram a parede. O menor conjunto da gravura é feita por um indivíduo de mão de tamanho modesto, provavelmente uma mulher ou um adolescente. O outro painel, ao contrário, foi preenchido por alguém maior. O tamanho da mão e a posição da mais alta impressão digital corresponde a um homem com cerca de 1,80 m. Em ambos os casos, a tinta pastosa foi aplicada sobre a palma da mão em camada grossa o suficiente . As impressões digitais são usadas para guiar cada impressão e imaginar a posição do artista. Esta técnica original não tinha sido usada, até então, em arte rupestre. RESULTADOS 1998-1999: Trechos da carta Inora - Informativo Internacional sobre Arte Rupestre - No. 23-1999 Ambos os conjuntos "... Condes, em 1998, das representações de animais em Chauvet-Pont d'Arc", por Jean Bernard Clottes Gely, Yanik Le Guillou, Equipe de Investigação da Grotte Chauvet-Pont d'Arc". A caverna é estruturada em dois conjuntos de igual tamanho, relativamente. A primeira parte da caverna é distinguida pela aparente falta de desenhos negros que contrastam com a abundância relativa de desenhos vermelhos. Uma galeria separa os dois conjuntos. Esta área é formada por uma encosta com uma entrada de passagem baixa. As paredes estão quase vazias de desenhos. Na entrada e na saída da galeria, o teto diminui e é marcado no final com pontos ou marcas vermelhas, visíveis apenas no sentido para quem se dirige para o fim. Na segunda parte da caverna, vários conjuntos de altas concentrações de figuras se destacam. No grande primeiro quarto dessa área encontram-se milhares. Um longo corredor (galeria dos Megaceros ) leva ao "Fond du Salle", que apresenta numerosos vestígios de atividade humana, lareiras e paredes adornadas com figuras de animais diversos. RESULTADOS 1998-1999 Trechos da carta Inora - Informativo Internacional sobre Arte Rupestre - No. 24-1999 Pegada deixada por um filho © M.A. Garcia "... o rastro de pegadas humanas na caverna Chauvet em Vallon Pont d'Arc", por Alain-Michel Garcia".
Os descobridores tinham identificado pela primeira vez duas impressões digitais por eles atribuídas a um pé humano.
Garcia confirma estas observações:
São realmente pegadas humanas, do pé esquerdo de uma criança e um traço dinâmico da mesma. Essas impressões foram o começo de uma pista real para o fundo da passagem da galeria na entrada do Hall da Caveira.
Em torno desta faixa, é possível ver vestígios de pisoteio anterior e uma pista de lobo. O crescimento da criança é unidirecional. Os pés têm um arco e uma morfologia comparáveis aos dos europeus de hoje. As pegadas correspondem aos de uma criança de aproximadamente oito anos, medindo 1,30 m. As proporções evocam mais a de um macho.
RESULTADOS 2000 Trechos da carta Inora - Informativo Internacional sobre Arte Rupestre - No. 26-2000 Rhinoceros enfrentados"... comentários técnicos sobre os milênios.
O exemplo dos rinocerontes que se enfrentam, por Gilles Tosello e Carole Fritz". Rhinos se enfrentam nesta cena e, portanto, constituem um subconjunto de forma independente. Eles fizeram sondagens de três datações por radiocarbono: 30.940 ± 610 (rinoceronte à esquerda) e 32410 ± 720 e 30790 ± 600 (rinoceronte à direita) (Clottes et al., 1995). "Assentam-se no painel inferior a 0,60m acima do solo. O rinoceronte à direita tem 0,72m de comprimento e 0,44m de altura, na cernelha. Com 1m de altura por 0,50m de comprimento, o rinoceronte da esquerda é a maior figura do painel completo. O rinoceronte à esquerda tem sobre o corpo um cinza médio sépia que foi obtido pela fricção com os dedos de uma mistura de argila na superfície do disco, e a borda preta da cabeça é de uma figura pré existente. O retorno dos gestos do artista é baseado no estudo de sobreposição de rotas e, portanto, a restauração de sua cronologia. Usando um microscópio de dissecação (ampliação de até 100x) se tem as seguintes observações: o padrão de início da construção é pelos chifres e cabeça e continua traçando os contornos. Os detalhes são adicionados. A técnica de execução parece ser desenho com carvão vegetal seguido de recuperação de cada curso com os dedos, alisando o pigmento preto, misturando ao mesmo tempo, na superfície a argila na pedra calcária. As cores variam entre tons de marrons e sépia profundo, só com os dedos, por vezes, terminando o curso sem corante. Esta técnica de indefinição é bem menos representada em outras obras da caverna, o que permite, provavelmente, uma melhor conservação das tramas estampadas em argila e carvão". Clottes J. et al, 1995 - As pinturas do Paleolítico de Chauvet-Pont d'Arc Vallon Pont d'Arc (Ardèche, França): observações diretas e indiretas pelo método de radiocarbono, Anais da Academia das Ciências , Paris 320, Série II, p.1133-1140.
Resultados 2001 Trechos da carta Inora - Informativo Internacional sobre Arte Rupestre - No. 29-2001. Venus e bisontes-Man © Y. Le Guillou Com o sistema de câmera desenvolvida por Yanik Le Guillou, uma nova descoberta lança nova luz sobre a arte do Grotte Chauvet. No coração da sala do fundo, um real cone de pedra calcária desce do teto e termina há 1,10m acima do solo. Sua parte inferior está decorada. Apenas um rosto visível do caminho e, em seguida, a interpretação era bem diferente. Uma fotografia tirada no final do poleiro revelou uma Vênus de rosto desenhado em preto. O curso é limitado ao triângulo do púbis e pernas. O caminho é indicado por uma vulva gravada numa linha que aparece em branco na área diminuta. A parte superior do corpo está ausente, mas talvez não tenha sido sempre assim. O desenho das nádegas poderia ter sido, no mínimo, coberto e depois apagado. Esses improvisos são deleções envolvendo a elaboração de representações paralelas de dois felinos, que um pouco mais longe, parecem um mamute a seguir um boi almiscarado de pequeno porte. Acima da Vênus, há um ser composto provavelmente, conhecido como "homem-búfalo". Tais relações, venus/bison-homem, não pode ser anedótico. A associação temática é óbvio. A primeira evidência é a prioridade da relação Venus aos lotes vizinhos. Se os dois felinos à esquerda ou o homem-búfalo à direita estão em cursos múltiplos, pintados ou esculpidos, a realização tem levado à destruição de locais e elementos seletivos voluntários do corpo de Vênus. O lugar mais óbvio está, em uma das extremidades do triângulo púbico superior. Mais surpreendente é a ausência de cobertura voluntária. Nem o homem nem os felinos, nem o grande búfalo fazem interseção com a Vênus, e são eles próprios antes dos outros, os felinos e o mamute. ESPAÇO E TEMPO: CONTEXTO GEOGRÁFICO:
Há 130/100 milhões de anos esta parte do Ardèche consistiu em mar raso ao redor da ilha, que foi o Maciço Central. Os depósitos de conchas e outros fósseis de coral têm produzido camadas muito espessas formando um pedestal. Desde o Terciário, a base oca do Ardeche tem muitos meandros. La Combe d'Arc tem lugar no oco de um meandro do Ardèche.
A curva seguinte é o arco (d'Arc), a curiosidade geológica que seria ainda mais impressionante em tempos pré-históricos. No quaternário (há menos de dois milhões de anos), as águas infiltradas formaram as cavidades subterrâneas. Outras grutas parecidas com a Chauvet-Pont d'Arc, foram visitadas por homens pré-históricos e algumas são decoradas.
O clima no momento do período aurignaciano na região teve fases alternadas de clima temperado e frio. No entanto, o frio predomina e testemunhamos a criação de paisagens de estepe (grandes extensões de savana, com bosques de árvores nos vales e rios próximos). Os animais são os que estão representados na caverna. Além disso, é mais provável mamíferos pequenos como raposas, lebres variáveis e coelhos, mais perdizes e lobos.
A Pont d'Arc - © Feruglio Valerie
CONTEXTO ARQUEOLÓGICO:
Distribuição dos epicentros aurignacianas ©  Valerie Feruglio
A cultura aurignaciana é extensa, com concentração no Alto Danúbio, na Alemanha, Áustria, Eslováquia, na região da Morávia, na Espanha, perto de Santander. Na França, os aurignacianos se instalaram nos vales pequenos da região de Les Eyzies-de-Tayac, na Dordonha e nos Pirenéus e no Piemonte. A presença desta civilização é muito discreta em Ardèche exceto pela caverna Chauvet-Pont d'Arc. Nos desfiladeiros de Ardèche, incluem-se as pedras dos aurignacianos encontradas na caverna de Figuier (Saint-Martin-d'Ardèche) e os pequenos abrigos de Pescadores (Casteljau). No departamento vizinho de Gard, mencção à caverna Oullins e, especialmente, o Esquicho-Crapaou (St. Anastasia) que renderam datas de 34 / 32 mil anos. . Blade of the Great Cave inicial aurignacianas  Bize (Aude, França) © Dominique Sacchi Os aurignacianos diferem fase anterior por muitas melhorias na pedra, diversas ferramentas e inovações. As ferramentas são em forma de lâminas, em vez de lascas. Os tipos padrão são: raspadores para preparar peles e ossos e cinzéis para trabalhar e gravar. O chifre, o osso e marfim são usados para fabricar objetos de caça. Os Aurignacianos não usavam a atiradeira nem o arco. Não ficou definido se usavam algum material para costura, as roupas deveriam ser montadas mas rusticamente em períodos mais recentes. Entre as novidades está o desenvolvimento de adorno corporal: conchas perfuradas, dentes perfurados e outros ossos estão associados com pingentes e pulseiras de pérolas e de marfim. No entanto, o desenvolvimento repentino da arte monumental, que reflete o Chauvet-Pont d'Arc é a grande invenção da cultura.
Colar do período Cro-Magnon
© J. Oster - Museu do Homem
ESPAÇO E TEMPO: A Datação:
© Painel Horse C Fritz - G Tosello
© Fritz C - G Tosello
A sondagem direta realizada em 1995, acrescentou uma dimensão inesperada à descoberta. Na verdade, três amostras colhidas, sendo duas de rinocerontes e uma de búfalo, desenhados com carvão, deram datas entre 30.340 e 32.410 BP. Considerando as margens de estatística, isso significa que essas pinturas foram feitas em uma data muito anterior, por volta de 31 mil anos BP, num intervalo de 1.300 anos. Numa sondagem (26 120 ± 400), o recorte calcite que cobre o projeto, demonstra que pelo menos algumas representações foram feitas muito anteriormente, concluindo que a datação deve ser afastada, por outro lado, improváveis visitantes Solutrenses ou Magdalenianos, que pegaram o carvão aurignaciano do chão, teriam usado para sobrepor seus desenhos já existentes, de milhares de anos, após a passagem dos primeiros ocupantes da caverna.
Detalhes colisão de cabeças de rinocerontes © C. Fritz - G. Tosello
ESPAÇO E TEMPO: Os Encontros:Em outros lugares, ao mesmo tempo.
Estas datas, as mais antigas no mundo das tintas, subvertem nossas concepções da arte na parede. Eram conhecidos como os aurignacianos do sul da Alemanha, entre 35 e 30 mil anos, tinham criado um sofisticado mobiliário de arte com estatuetas de marfim de ambos, naturalista e estilizado. Isto indica que as teorias do desenvolvimento linear da arte, com seus primórdios bruto e desajeitado no aurignaciano, seguido pelo progresso ao longo dos milênios, eram infundadas. Trata-se de arte surpreendentemente original.
"Evolved" de Chauvet-Pont d'Arc, uma contemporânea dessas estatuetas, prova que a invenção artística dos aurignacianos pode ser aplicada com tanto sucesso para as paredes da caverna, pinturas e gravuras, quanto à arte de mobiliário e estatuetas.
O problema agora surge da relação entre os artistas do Ardèche e os do Jura da Suábia. As estatuetas de Vogelherd Geissenklörsterle, apesar de seu pequeno número, representando indivíduos idênticos aos dos Chauvet-Pont d'Arc: mamutes , felinos, bisontes, ursos , cavalo, rinoceronte. Há mesmo um ser composto, um homem com cabeça de felino, no site da Hohlenstein-Stadel.
Tais semelhanças não indicam uma relação direta entre a Alemanha e o sul do Ardèche, o vale do Reno e Ródano? Os temas míticos, desta vez, foram significativamente diferentes daqueles que conhecemos; antes o domínio do cavalo e do bisonte e depois dos rinocerontes e felinos, ou é um fenômeno cronologicamente e geograficamente limitado?
escultura antropomórfica de cabeça de leão - © Museu Ulmer


O rompimento da arte pré-histórica:
Rhinoceros Detalhes Painel - © Clottes Jean

Finalmente, os indivíduos representados e a data de algumas pinturas altas de Chauvet-Pont d'Arc são padrões inconsistentes de A. Leroi Gourhan , que influenciaram profundamente a investigação em arte rupestre, desde a publicação da sua obra principal em 1965. Seu estilo I, correlacionado com os aurignacianos , não se pode aplicar aos locais arcaicos, a maioria localizada na Dordogne. A nova descoberta está completamente fora deste quadro. Quanto à estrutura da cavidade, especialmente a organização dos painéis, com felinos e rinocerontes em posição central e dominante, é contrário às idéias de longo aceite. Leroi-Gourhan, para quem o felino, por exemplo, deve ser nas margens ou nos fundos.
O estudo de Chauvet-Pont d'Arc é apenas o começo. Nos próximos anos, uma quantidade considerável de informações serão adicionadas a estes primeiros elementos, e outras surpresas são prováveis. No entanto, a importância e originalidade da caverna Ardeche são tais que, mesmo nesta fase preliminar, pode estar certo de que, como foi o caso das descobertas das cavernas de Altamira e Lascaux, nosso conhecimento das primeiras manifestações artísticas do Homem será um passo decisivo.

A IMPORTÂNCIA DA CAVERNA: A descoberta causou um choque: como a caverna parecia importante e original, até mesmo para os não especialistas! Esta sensação é devido a várias causas. A primeira é a fauna figurada, como os rinocerontes, leões e ursos . Geralmente, os animais representados nas cavernas paleolíticas são animais caçados, mesmo se as suas proporções não coincidam com as cenas de caça, como sabemos por escavações de habitats.
Painel de leões. Sul seção detalhe.  Jean-Marie Chauvet © DRAC
© Fritz C - G Tosello
Aqui, animais perigosos, que não estavam no menu do Paleolítico, são a maioria (mais de 60% dos animais representados, se somarmos o mamute). As técnicas utilizadas, ou seja, como esses animais foram representados, também são incríveis. Estes refinamentos contrastam com as imagens que estamos acostumados.
Painel de leões - detalhe. Jean-Marie Chauvet  © DRAC
Painel de leões - detalhe. Jean-Marie Chauvet © DRAC
A qualidade estética na execução de trabalhos individuais, na sua preparação como composições cheias de força e de vida também contribuem para um sentimento de originalidade. Um grande número de desenhos de animais em tinta preta são tão semelhantes, que certamente são devidos a um único grande artista, um mestre de linha, a menos que ele tenha sido acompanhado por algumas pessoas (sócios, assistentes), que compartilharam suas convenções e técnicas.
Controle de rinoceronte, o painel da  esquerda. Jean-Marie Chauvet © DRAC
A localização da caverna Chauvet-Pont d'Arc, na Ardèche, muda a nossa perspectiva sobre as cavernas pintadas. Até agora, considerou-se que não havia grandes centros de arte rupestre,como o Périgord, Quercy, dos Pirinéus, na costa da Cantábria e o restante constituído de grupos menores, como o Ardèche, no sul da Meseta Espanha, sul da Itália, algumas cavernas espalhadas aqui e ali. A descoberta em Ardèche, que segue a de Cosquer, ilustra a extensão da nossa ignorância, por ser a caverna original de maior importância, mas que ainda pode surgir outras fora dos grandes centros arqueológicos. A caverna Chauvet-Pont d'Arc, em Ardèche está entre os clássicos da arte Parietal.
Jean-Marie Chauvet © DRAC
Cavalo andando para a esquerda - detalhe. Jean-Marie Chauvet © DRAC
A sacristia da caverna Chauvet Chauvet-Pont d'Arc e seu corredor de acesso:
por Yanik Le Guillou. Resumo do artigo publicado no Boletim da Sociedade Francesa "Prehistoric Ariège-Pyrénées". Volume LVI, 2001
Localização dos quartos na caverna:
Mapa da caverna Há duas galerias que são contígüas ao extremo norte da caverna, além do fim do corredor do fundo para mais de 200 metros da entrada do período Paleolítico presumido. A parte traseira do painel dos Bisons (painel mais à direita da composição da sala do Fundo), mostra um cavalo que parece sair de um diverticulo, que é o corredor de acesso à Sacristia. Apenas algumas dessas galerias são conhecidas por enquanto. Para preservar o solo não foi possível penetrar profundamente e observar em detalhes das paredes decoradas. O levantamento foi feito por fotografia indireta. As galerias não estão escondidas, estavam totalmente acessíveis aos nossos Paleolíticos que não tinham interesse na conservação. Descrição dos quartos: O corredor é uma galeria paralela anexa à sala de fundo, que é separada por uma grande rocha selada pelo barro. 4 m de distância, ele sempre abre a Sacristia na continuidade da superfície horizontal, O corredor é com efeito uma galeria paralela adicional à sala do Fundo do qual é separada por um grande selo rochoso lacrado ao solo com argila. Quatro metros mais distante, se abre sobre a Sacristia, na continuidade do solo, em horizontal, como já é possível o tráfego de pé. O solo das duas galerias é argiloso e para além de um canal axial que canalizou escoamentos e descargas, pode-se ver marcas de urso, íbex e lobos. Carvões e ossos de animais espalham-se pelo chão. A atividade de ursos parece ter sido intensa, determinada pelas marcas deixadas nas paredes e no movimento dos ossos. Os homens marcaram igualmente as paredes com fuligem de tochas e vestígios de dedos, marcas de apoio ou complemento de decoração.
Mapa da sacristia da caverna:
A decoração da parede
Mapa de sacristiaCorredor:
Nestas duas galerias, 14 faixas foram selecionadas. Outras estão presentes, mas muito menos legíveis.

O corredor de acesso é decorado com três figuras: um lindo cavalo negro na parede esquerda, de frente para o fundo do quarto, que representa mais cuidado; é muito próximo aos cavalos milenares.
Topo da sacristia:
Na parede esquerda tomam lugar um rinoceronte e um mamute. A figura do rinoceronte é com efeito um esboço limitado ao chifre nasal, testa, orelhas e cervelha. Um metro mais distante situa-se um mamute esculpido e pintado, voltado para a esquerda com um pouco menos de 80 cm comprimento. O desenho é originalmente à carvão, mas os traços foram retomados nas gravuras, tornando-se mais amplos, mais longos e mais visíveis. Estas duas figuras são posteriores os traçados do urso.
Parede esquerda da Sacristia
O primeiro desenho é um cavalo virado à esquerda; é muito visível, desenhado por um caminho percorrido pelo dedo, coberto com ocre e argila. No painel principal o animal é um felino muito grande com um pouco mais de 2,50 m de comprimento. Dentro desta grande figura há outro felino menor, também em carvão vegetal, mas virado na direção oposta. Mais à direita, a última obra é também mais detalhada, retrata um grande bisão de mais de 1,70m de comprimento, realizado ao mesmo tempo em incisões e raspagens, em que só a cabeça e a linha de costas são legíveis.
Parede direita da sacristia
A parede é recoberta por um vazamento de calcite, em sua seqüência toma lugar um cavalo preto voltado para a esquerda, acima e mais à esquerda outro cavalo foi representado após este último em posição muito dinâmica. A figura central deste painel é um grande felino com mais de 1,80m, por seu traçado pouco acadêmico poderia ser interpretado como uma representação de um urso.
Cronologia das performances: Várias fases dos desenhos realizados podem ser propostas. Os mais antigos correspondem ao cavalo preto e dois felinos na parede esquerda da sacristia, e o dois cavalos e um felino na parede direita. Caracterizam-se pelo uso de um pigmento muito escuro e espesso.
A segunda fase corresponde a um conjunto de raspagens, especialmente o bisão.
A terceira fase seria o desenho do megaceros e, talvez, o mamute, tendo em vista a semelhança da ferramenta utilizada.
Os desenhos dos ursos parecem se intercalar entre as fases dois e três. Conservações diferenciais poderiam induzir cronologias relativas dos diferentes desenhos, mas nenhum argumento pode por hora se oferecer de quadro de referência.
Relações com o resto da cavidade: Os animais representados são semelhantes na decoração de toda a cavidade. A associação temática mais pertinente, talvez a única, são o casal de felinos e o cavalo, presentes sobre as duas paredes que se fazem frente.
Por último, a Sacristia está em estreita relação com a sala do Fundo, pelo primeiro/último cavalo que pode-se ver desde a sala e que parece deixar a Sacristia para guiar uma leitura para o exterior. A arte parietal da Sacristia e o seu corredor de acesso indicam o instaurado de um dispositivo parietal seqüencial que dispõe de uma forte autonomia ligada à sala do Fundo.

Informações de cunho Legal: PARCERIAS: Ministério da Cultura e da Comunicação:
  • Centro Nacional de Pré-História
  • Centro de Pesquisa e Restauração dos Museus da França
  • Laboratório de Pesquisa de monumentos históricos
CNRS
  • ARC Valbonne
  • Bordeaux UMR 9933
  • Underground Laboratório do CNRS
  • Montpellier Instituto de Botânica
  • Laboratório CNRS - CEA, Gif-sur-Yvette
  • Radiocarbono Lyon Centre
Universidades CEA Saclay:
  • Universidade de Orsay
  • Université Pierre et Marie Curie
  • Universidade de Minnesota
  • Universidade de Reims
  • Universidade de Bordeaux I
  • Museum National d'Histoire Naturelle de Lyon
Gabinete Perazio Guy Nossas fontes: Culture.gouv.fr: Arcnat Culture.gouv.fr: Grotte.chauvet.pont.darc Editorial: Pesquisa, edição e tradução final: Mariangela Ghirotti.